Volta de Dilma à política é destaque em jornal alemão

Em tour pela Europa, a presidente deposta Dilma Rousseff ganhou destaque na publicação Frankfurter Allgemeine Zeintung, que registra que Dilma “voltou à política” em viagem pelo Brasil ao lado do ex-presidente Lula, em referência à caravana; ao jornal, Dilma afirma que “a crise seria vencida se ela não tivesse sido vítima de um golpe”


O jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung publicou uma reportagem sobre o Brasil, em que ressalta a “volta” de Dilma Rousseff à política.

Dilma se intitula “presidente eleita”, segundo o jornal, que abre espaço à declaração da presidente deposta, para quem a crise teria sido vencida se ela não “tivesse sido vítima de um golpe”. O diário alemão relata que mais de um ano após ser deposta do cargo, Dilma “voltou à política” em um tour pelo Brasil ao lado do ex-presidente Lula, candidato declarado à presidência em 2018.

Após fazer um balanço dos acontecimentos no Brasil na época, citando a crise econômica e a incapacidade do governo de contorná-la, o jornal abre espaço para Dilma afirmar que “a crise seria vencida se ela não tivesse sido vítima de um golpe”. Para o diário alemão, Dilma ficou isolada e isso foi crucial em sua derrocada. O jornal lembra que Michel Temer, por sua vez, conseguiu o apoio do Congresso em dois processos de corrupção que foram abertos contra ele, algo que Dilma não conseguiu.

O jornal cita as medidas adotadas pelo governo Temer, como o congelamento de gastos e a reforma trabalhista, e aponta que a economia voltou a crescer.

Questionada se o PPT não precisa urgentemente de uma renovação para recuperar a credibilidade, ela responde: “Um líder popular, que consegue falar com o povo dessa maneira, não se tira do nada.” E sobre o próprio futuro, diz: “Se vou me candidatar para um cargo novamente, isso vai depender das condições específicas. Mas vou fazer política pelo resto da vida”.

Brasil247