Em ato com artistas em SP, Lula diz estar tranquilo sobre julgamento no TRF4

Comparte esto:

Ex-presidente garantiu que, independente do resultado do recurso, seguirá caminhando pelo país


Por José Eduardo Bernardes

Em ato com artistas e intelectuais nesta quinta-feira (18), na Casa de Portugal, em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse estar tranquilo a respeito da decisão do julgamento de seu recurso contra a sentença do juiz de primeira instância, Sérgio Moro. A audiência será no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre (RS), no dia 24 de janeiro.

O encontro na noite desta quinta-feira foi uma demonstração de apoio de músicos, atores, juristas e pensadores, pelo direito do ex-presidente em concorrer às eleições deste ano e também um apelo para o reestabelecimento da democracia no país, fragilizada após o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, em 31 de agosto de 2016.

Lula garantiu que independente do resultado do recurso seguirá caminhando pelo país, e pediu à presidenta do Partido dos Trabalhadores, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-RS), que indique seu nome como candidato do partido à Presidência da República na disputa eleitoral de 2018.

“Eu confesso a vocês que eu duvido que os juízes que já me julgaram, e os que vão me julgar, estejam, nesse momento, com a tranquilidade que eu estou. Estou com a tranquilidade dos justos, com a tranquilidade dos inocentes. Eu sei que não cometi crime. Agora, companheira Gleisi, eu quero te comunicar que eu quero que o PT me indique para ser o candidato à Presidência da República”, afirmou.

O ex-presidente pediu também que sejam respeitados os preceitos jurídicos no julgamento de seu caso no TRF4. A ação é referente ao suposto recebimento de um imóvel por Lula no litoral de São Paulo, o “triplex do Guarujá”, em troca de favores à empreiteira OAS. “A única coisa que eu peço Cristiano [Zanin – advogado de defesa de Lula], é que eles leiam a peça de defesa, vejam o que as testemunhas falaram e, com base nisso, condene, ou absolva. O que eu não posso é ser condenado por um crime que eu não cometi e que não existe”, disse.

Segundo o jurista Fábio Konder Comparato, o processo sem provas contra o ex-presidente Lula é a confirmação de que o sistema jurídico brasileiro não funciona. ˜Toda nossa organização constitucional e legal é falsa, ou seja, a Constituição existe para os americanos verem, como antigamente toda a nossa organização legal existia para o inglês ver. Agora, o povo já está farto disso e quer instituições jurídicas que realmente funcionem. Até agora, não funcionaram”, opina.

Apoio de artistas

Artistas das mais diversas áreas da cultura compareceram à Casa de Portugal para demonstrar apoio ao ex-presidente. Entre eles os atores Sérgio Mamberti, Aílton Graça e Celso Frateschi; os cineastas Toni Venturi, Laís Bodanski e Tata Amaral, além de cantoras como Ana Cañas e Raquel Virgínia, da banda As Bahias e a Cozinha Mineira.

Também presente no ato, o escritor Raduan Nassar, laureado com o Prêmio Camões de 2016, o mais importante da literatura em língua portuguesa, Lula é a única opção para reestabelecer a ordem democrática no país. “O Lula é o único político que pode arrumar o Brasil. É isso que eu acredito. E ninguém sabe o que vai acontecer a médio prazo se eles forem muito rigorosos na condenação do Lula. Eu acho o Lula um gênio político”, defende o escritor.

Já o ator Celso Frateschi, afirmou que Lula se tornou símbolo da luta pelo próprio Brasil. “O artista é pela liberdade, os artistas são pelos direitos civis. E o que a gente está vivendo hoje no Brasil, principalmente a partir desse julgamento, é a perda dos direitos civis”, acredita.

É o direito de escolher seu próprio candidato que estará em debate no julgamento contra o ex-presidente Lula, no próximo dia 24 de janeiro, explica Raquel Vírginia, da banda As Bahias e a Cozinha Mineira. Ela acredita que “é uma defesa pela democracia e pelo direito ao voto e pelo direito à candidatura. E também pelo fim da hipocrisia e histórias falseadas, que tanto regem a história do Brasil”.

No dia do julgamento, o ex-presidente Lula participará de um ato organizado pela Frente Brasil Popular, na avenida Paulista, centro de São Paulo. E o PT pretende lançar oficialmente a candidatura à Presidência da República no dia seguinte, 25 de janeiro.

Edição: Nina Fideles

Brasil de Fato 

Comparte esto: